Medalha de São Bento

Conta-se que feiticeiras da Bavieira, acusadas de suas maldades contra o povo daquela região, confessaram ver seus feitiços inteiramente anulados pelo poder da Cruz; e que em todos os lugares onde estivesse a Cruz, seus malefícios nunca logravam efeito.

E contaram que, especialmente no mosteiro de Metten, nunca conseguiram êxitos em suas maldades e concluíram que isso se devia ao fato da existência de alguma Cruz naquele lugar.

Por causa disso, as autoridades locais foram consultar os monges da abadia de Metten sobre o assunto.

Depois de muito procurar, constataram de fato que o mosteiro era repleto de cruzes gravadas nas paredes e com uma inscrição acima delas.

Era preciso descobrir o porquê disso e por quem as cruzes foram gravadas. Suas investigações os levaram a biblioteca, a um antigo livro escrito por ordem do abade, no ano de 1415.

O livro transcrevia escritos sobre a Cruz, com inúmeros desenhos a bico de pena realizados por um monge anônimo.

Significado A medalha de São Bento, difundida no mundo inteiro desde o século XVIII, foi aprovada pelo Papa Bento XIV em 1742.

Até hoje a medalha que usamos traz numa face a figura de São Bento, tendo em mãos a Regra que escreveu e a Cruz, com a qual operou tantos milagres, numa face está escrito:

CRUX SANCTI PATRIS BENEDICTI

CRUZ DO SANTO PAI BENTO.

Na outra face há uma Cruz.

No traço vertical as letras:

C.S.S.M.L.

E no horizontal as letras:

N.D.S.M.D.

Que significam respectivamente:

CRUX SACRA SIT MIHI LUX = A Cruz Sagrada seja minha luz.

NON DRACO SIT MIHI DUX = Não seja o dragão meu guia.

Em torno da Cruz, em toda a volta da medalha, estão as letras:

V.R.S.N.S.M.V.S.M.Q.L.I.V.B.

Iniciais da Oração:

VADE RETRO SATANA, NUNQUAM SUADE MIHI VANA, SUNT MALA QUAE LIBAS, IPSE VENENA BIBAS.

Retira-te, satanás, nunca me aconselhes coisas vãs; é mau o que tu ofereces, bebe tu mesmo o teu veneno.