Orações Católicas

Todas as oraçõesDownload

Santa Faustina Kowalska

Canonizada no dia 30 de abril de 2000, ano jubilar.

Esta religiosa polonesa recebeu as mensagens de Jesus sobre sua Divina Misericórdia. Providencialmente esta devoção tão necessária para nossos tempos se tem propagado pelo mundo inteiro.

A misericórdia de Deus se revela em toda a história.

No século XX Jesus visita a Santa Faustina e lhe mostra seu coração traspassado do qual emanam raios de luz branca (a água do batismo) e vermelha (seu sangue) e lhe encomenda a missão de dar a conhecer sua misericórdia a todos os homens. Ante a perda da fé do século XX, a mensagem da misericórdia se faz urgente pois é a única esperança da humanidade.

Primeiros anos de Santa Faustina

Santa Faustina nasceu na aldeia de Glogoviec, em Swinice Varckie, Polônia, no dia 25 de agosto de 1905. Foi batizada dois dias depois com o nome de Elena Kowalska, na Igreja de São Casimiro. Seus pais tiveram 8 filhos (Elena é a terceira), a quem criaram com muita disciplina, sendo grande exemplo de vida espiritual. A muito tenra idade, Elena foi chamada a falar com o céu. Uma indicação deste fato foi um sonho que ela teve na idade de 5 anos. Sua mãe recorda que nessa época Elena disse a sua família. "Eu estava caminhando pelas mãos da Mãe de Deus em um jardim precioso".

Muitas vezes, antes dos sete anos, a menina se despertava durante a noite e se sentava na cama. Sua mãe via que estava rezando, e lhe dizia que voltasse a dormir ou terminaria perdendo o juízo. "Oh, não mãe", Elena lhe contestava, "meu anjo da guarda deve me ter despertado para rezar". Nos diz Santa Faustina em seu diário: "Desde os sete anos sentia a suprema chamada de Deus, a graça da vocação a vida consagrada. Aos sete anos pela primeira vez ouvi a voz de Deus em minha alma.

Um evento ocorreu durante a exposição do Santíssimo Sacramento. Elena tinha aproximadamente 9 anos quando se preparou para receber os sacramentos da Confissão e a Comunhão na Igreja de São Casimiro. Sua mãe recorda que antes de deixar a casa no dia de sua primeira Comunhão, Elena beijou as mãos de seus pais para demonstrar sua pena por haver-lhes ofendido.

Desde então, se confessava todas as semanas; cada vez rogava a seus pais perdão, beijando-lhes as mãos, seguindo um costume Polonês. Elena ajudava na casa com os afazeres da cozinha, ordenando as vacas, e cuidando de sus irmãos. Começou a assistir ao Colégio quando tinha 12 anos de idade, devido ao fato que as escolas na Polônia estavam cerradas durante a ocupação Russa.

Apenas pode completar três trimestres, quando na primavera de 1919, se notificou a todos os estudantes maiores, que saíssem do colégio para dar lugar aos meninos menores. Aos 15 anos começou a trabalhar como empregada doméstica e de novo sentiu muito fortemente o chamado a vocação religiosa, mas ao apresentar seu sentimento a seus pais eles o negaram.

Várias vezes pediu permissão a seus pais para entrar ao convento; a mesma Santa relata uma destas ocasiões no diário: "No décimo oitavo ano de minha vida, fiz um insistente pedido a meus pais para ter a permissão para entrar em um convento; obtive uma categórica negativa. Depois dessa negativa me entreguei as vaidades da vida sem fazer caso algum a voz da graça, ainda que minha alma em nada encontrava satisfação. As continuas chamadas da graça eram para mim um grande tormento, sem dúvida tentei apaga-las com distrações. Evitava a Deus dentro de me e com toda minha alma me inclinava até as criaturas, mas a graça divina venceu em minha alma".

Durante esse mesmo ano teve uma experiência que marcou sua vida. Foi convidada a uma festa junto com sua irmã Josefina, no parque de vencia, na cidade de Lodz: "Uma vez, junto com uma de minhas irmãs fomos a um baile. quando todos se divertiam muito, minha alma sofria tormentos interiores.

No momento em que comecei a bailar, de repente vi a Jesus junto a mim. Jesus martirizado, despojado de suas vestes, coberto de feridas, dizendo-me essas palavras: ' até quando Me farás sofrer, até quando Me enganarás?' Naquele momento deixaram de soar os alegres tons da musica, desapareceu de meus olhos a companhia em que me encontrava, ficamos Jesus e eu. Me sentei junto a minha querida irmã, dissimulando o que ocorreu em minha alma com uma dor de cabeça. Um momento depois abandonei discretamente a companhia e a minha irmã e fui a catedral de São Estanislau Kostka. Estava anoitecendo, havia pouca gente na catedral.

Sem fazer caso ao que passava ao redor, me prostrei em cruz diante do Santíssimo Sacramento, e pedi ao Senhor que se dignasse fazer-me conhecer que havia de fazer em adiante. Então ouvi essas palavras: 'Vai imediatamente a Varsóvia, ali entrarás em um convento. Me levantei da oração, fui para casa e solucionei as coisas necessárias. Confessei a minha irmã o que havia ocorrido em minha alma, lhe disse que me despediria de meus pais, e com um só vestido, sem nada mais, cheguei a Varsóvia".

Pedi a Santíssima Virgem que me guiasse e me deixasse saber onde dirigir-me. Assim chegou a Igreja de Santiago Apóstolo em Varsóvia e, ao finalizar as missas, falou com um sacerdote que a enviou a Sra. Lipzye, uma senhora muito católica, e se hospedou com ela. Durante sua estada com a família Lipzye visitou vários conventos mas todas as portas lhe foram cerradas. Pedindo ao Senhor que não a deixasse sozinha, buscava uma resposta a sua oração, mas o Senhor queria ensinar-lhe que Ele sempre responde a nossas orações a seu tempo, não no nosso.

Santa Faustina se dirigiu as portas da Casa da Madre da Congregação das irmãs de Nossa Senhora da misericórdia na rua Zytnia, em Varsóvia, onde a Madre geral a interrogou. Madre Micaela lhe disse que fosse perguntar ao Senhor da casa se ele a aceitava. Santa Faustina se dirigiu a Capela e perguntou ao Senhor se a aceitava e escutou em seu coração: "Eu te aceito; tu estas em meu Coração". Ela se dirigiu a Madre Geral e lhe disse o que havia ouvido, a Madre respondeu, "se o Senhor te aceita eu também te aceito, esta é tua casa".

A pobreza de Santa Faustina foi seu pior obstáculo pois necessitava recolher dinheiro para entrar no convento. A superiora lhe sugeriu que continuasse trabalhando até completá-lo. Trabalhou um ano como doméstica para reunir todo o dinheiro.

Durante esse tempo teve muitos obstáculos, mas se manteve firme em sua decisão, e durante a Festa de Corpus Christi, no dia 25 de julho de 1925, fez um voto de castidade perpétua ao Senhor. Relata a Santa, "Com as palavras singelas que brotavam do coração, fiz a Deus o voto de castidade perpétua. A partir daquele momento senti uma maior intimidade com Deus, meu Esposo. Naquele momento fiz uma cela em meu coração onde sempre me encontrava com Jesus".

Postulando

No dia 2 de agosto de 1925, festa de Nossa Senhora dos Anjos, entrou na Congregação como Postulante. Poucas semanas depois de haver entrado teve a tentação de sair do convento. Foi em busca da Madre Superiora e ao não encontra-la se foi a sua cela.

Estando em seu quarto teve uma visão de Jesus, com seu rosto destroçado e coberto de chagas.

Ela lhe perguntou " Jesus quem te tem ferido tanto?" Jesus lhe respondeu: "Esta é a dor que me causarias se saísse deste convento.

É aqui onde te tenho chamado e não a outro; e tenho preparadas para ti muitas graças".

Ela compreendeu que Deus realmente a queria ali e na manhã seguinte confessou a seu diretor espiritual o que lhe havia ocorrido. Ele lhe confirmou que realmente Deus a queria ali.

Como Postulante se familiarizou em seus exercícios espirituais.

Foi encarregada da cozinha, de limpar o quarto da Madre Barkiewez e de cuida dela durante sua enfermidade.

Devido a seus conflitos interiores, e seu grande fervor espiritual, e a mudança de vida, fizeram com que saúde de Santa Faustina começasse a decair.

As superioras, alarmadas pelo esgotamento que manifestava, a enviaram a Skolimow, a casa de descanso, em companhia de duas irmãs.

Entrada ao Noviciado e Profissão

Nos idos de 1926, foi enviada ao noviciado em Józefów (o lugar de São José) em Cracovia-Lagiewniki, para terminar seu Postulado e no 30 de abril tomou o hábito religioso como noviça e recebeu seu nome de Sor Maria Faustina.

Durante a cerimônia lhe foi revelada a magnitude de seus sofrimentos futuros e ao que se estava comprometendo.

Isto durou pouco, logo o Senhor a encheu de uma grande consolação.

Neste convento de Cracovia-Lagiewniki, Santa Maria Faustina fez seu noviciado, pronunciou seus primeiros votos e os perpétuos, serviu como cozinheira, jardineira e porteira, e passou os últimos anos de sua vida terrena.

No transcurso de seu noviciado um fato que se conhece muito é o fato de que devia escorrer a sopa.

Devido a grande debilidade que sofria, esta tarefa na cozinha se dificultava cada dia mais, então começou a evitá-la, mas ao pouco tempo se começou a notar; a Madre Superiora não compreendia que apesar de seu desejo, Sor Faustina não podia faze-lo por sua pouca força .

Um dia, quando fez seu exame de consciência se queixou ao Senhor de sua debilidade.

Escutou estas palavras: "Desde hoje terás mais facilidade, pois eu te fortalecerei".

A noite, confiante pelo que o Senhor lhe havia prometido, se apressou a preparar a sopa.

A levantou com facilidade e a escorreu perfeitamente.

Quando levantou a panela para deixar sair o vapor, ela viu ramos de rosas, as mais lindas que jamais havia visto.

Tratando de compreender esta visão escutou estas palavras: "Eu mudei teu trabalho tão duro em um ramalhete das mais belas flores, e seu perfume sobe a Meu Trono".

Depois disto ela procurava fazer este trabalho diariamente mesmo quando não lhe cabia, porque compreendeu que agradava ao Senhor.

Cumpria seus deveres com fervor, observava fielmente todas as regras do convento, era recolhida e piedosa, alegre, e cheia de amor benévolo e desinteressado ao próximo.

Suas irmãs recordam que Santa Faustina foi uma grata companhia durante o noviciado e sua conduta ao orar provocava nas outras noviças uma grande reverencia a Majestade de Deus.

Toda sua vida se concentrava em caminhar com constancia até cada vez mais a plena união com Deus e em uma abnegada colaboração com Jesus na obra da salvação das almas.

"Jesus meu - confessou no diário - Tu sabes que desde os anos mais tenros desejava amar-te com um amor tão grande como nenhuma alma Te amou até agora" .

Durante sua vida conseguiu um alto grau de união de sua alma com Deus, mas também teve que esforçar-se e lutar em duros combates no caminho até a perfeição cristã.

O Senhor a favoreceu de muitas graças extraordinárias: os dons de contemplação e de profundo conhecimento do mistério da Divina Misericórdia, visões, revelações, estigmas ocultos, os dons de profecia, de ler as almas humanas, e desposórios místicos.

Com tantas graças, escreveu: "Nem as graças nem as revelações, nem os êxtases, nem nenhum outro dom concedido a alma a fazem perfeita, mas sim a comunhão interior da alma com Deus.

A Noite Escura da Alma

Santa Faustina sofreu a maior parte de seu noviciado constantes combates interiores.

Não podia meditar nem sentir a presença de Deus.

Sofreu fortes tormentos e tentações, mesmo estando na capela.

Em mais de uma ocasião, estando na Santa Missa, sentiu que blasfemava contra Deus, não sentia contentamento com nada.

Até as verdades mas simples sobre a fé lhe eram difíceis de compreender.

Durante todo este tempo Santa Faustina não esteve sozinha, teve a ajuda de sua Mestra de Noviças, Sor Joseph Brzoza quem via nela grandes graças vidas de Deus.

Ainda que Santa Faustina se sentisse nesse momento totalmente abandonada por Deus, Sor Joseph lhe dizia: " querida irmã, Deus quer tê-la bem perto no céu.

Tenha grande confiança em Jesus".

Alma Vítima

Durante seu terceiro ano de noviciado lhe foi revelado o que era ser Alma Vítima.

Anota ela em seu diário: "O sofrer é uma graça grande; através do Sofrimento a alma se faz como a do Salvador; no Sofrimento o amor se cristaliza, quanto maior o Sofrimento mais puro o amor".

Sor Faustina se ofereceu como vitima pelos pecadores e com este propósito experimentou diversos Sofrimentos para salvar as almas através deles.

Durante uma hora particular de adoração, Deus lhe revelou a Santa Faustina tudo o que ela teria que sofrer: falsas acusações, a perda do bom nome, e muito mais.

Quando a visão terminou, um suor frio banhou seu rosto.

Jesus lhe fez saber que mesmo se ela não desse seu consentimento a isto, ela se salvaria e Ele não diminuiria Suas graças e continuaria mantendo uma relação de amor com ela.

A generosidade de Deus não diminuiria nada.

Consciente de que todo o mistério dependia de ela, consentiu livremente ao sacrifício em completo uso de suas faculdades.

Logo escreveu o seguinte em seu diário: "De repente, quando havia consentido a fazer o sacrifício com todo meu coração e todo meu entendimento; a presença de Deus me cobriu, me parecia que morria de amor na presença de seu olhar".

Durante a Quaresma desse mesmo ano, 1933, experimentou em seu próprio corpo e coração a Paixão do Senhor, recebendo invisivelmente os estigmas.

Unicamente seu confessor o conheceu.

Ela o narra assim: "Um dia durante a oração, vi uma grande luz e desta luz saiam raios que me envolviam completamente.

De pronto senti uma dor muito aguda em minhas mãos, em meus pés, e em meu peito, e senti a dor da coroa de espinhos, mas isto foi somente por um tempo bem curto".

Tempo mais tarde, quando Santa Faustina se enfermou de tuberculose, experimentou novamente os Sofrimentos da Paixão do Senhor repetindo-se todas as sextas-feiras e algumas vezes quando se encontrava com uma alma que não estava em estado de graça.

Ainda que isto não fosse muito freqüente; os sofrimentos eram dolorosos e de corta duração, não os teria suportado sem uma graça especial de Deus.

Visão do Purgatório

Enquanto estava em Skolimow, quase ao final de seu postulado, Santa Faustina perguntou ao Senhor por quem mais devia orar e a noite seguinte teve esta visão.

"Essa noite vi a meu anjo da Guarda, quem me pediu que o seguinte.

Em um momento me vi em um lugar cheio de fogo e de almas sofredoras.

Estavam orando fervorosamente por si mesmas mas não era válido, somente nós podemos ajuda-las.

As chamas que as queimavam não podiam tocar-me.

Meu anjo da guarda não me deixou sozinha nem um momento.

Eu perguntei as almas o que é que mais as fazem sofrer.

Elas me responderam que era o sentir-se abandonadas por Deus.

Vi a Nossa Senhora visitando as almas do Purgatório, a chamavam Estrela do Mar.

Logo meu anjo da guarda me pediu que regressássemos, ao sair desta prisão de sofrimento, escutei a voz interior do Senhor que dizia: 'Minha misericórdia não quer isto, mas o pede minha Justiça'".

Visão do Inferno

Durante um retiro de oito dias em outubro de 1936, se mostrou a Sor Faustina o abismo do inferno com seus vários tormentos, e por pedido de Jesus ela deixou uma descrição do que lhe foi permitido ver: "Hoje fui levada por um anjo ao abismo do inferno.

É um lugar de grande tormento.

Quão terrivelmente grande e, extenso é!.

As classes de torturas que vi: A primeira é a privação de Deus; a segunda é o perpétuo remorso de consciência; a terceira é que a condição de nunca mudará; a quarta é o fogo que penetra na alma sem destruí-la -um sofrimento terrível, já que é puramente fogo espiritual, preso pela ira de Deus.

A quinta é uma escuridão continua e um odor sufocante terrível.

A pesar da obscuridade, as almas dos condenados se vem entre eles; A sexta é a companhia constante de Satanás; a sétima é uma angustia horrível, ódio a Deus, palavras indecentes e blasfêmias.

Estes são os tormentos que sofrem os condenados, mas não é o fim dos sofrimentos.

Existem tormentos especiais destinados para almas em particular.

Estes são os tormentos dos sentidos.

Cada alma passa por sofrimentos terríveis e indescritíveis, relacionados com o tipo de pecado que tem cometido.

Existem cavernas e fossas de tortura onde cada forma de agonia difere da outra.

Eu haveria falecido a cada vista das torturas se a Onipotência de Deus não me houvesse sustentado.

Estou escrevendo isto por ordem de Deus, para que nenhuma alma encontre uma desculpa dizendo que não existe o inferno, ou que ninguém havia estado ali e por tanto, não pode descreve-lo".

O Senhor foi preparando desta forma o coração de Santa Faustina para que por meio de sua intercessão se salvassem muitas almas.

Visão do céu

No dia 27 de novembro de 1936, quando a debilidade a levou a cama, escreveu a seguinte visão do céu: "Hoje, estive no céu em espírito, e vi suas belezas incomparáveis e a felicidade que nos espera para depois da morte.

Como todas as criaturas glorificam e dão graças a Deus sem cessar.

Esta fonte de felicidade é invariável em sua essência, mas é sempre nova, derramando felicidade para todas as criaturas.

Deus me tem feito entender que há uma coisa de um valor infinito a Seus olhos, e isso é, o amor a Deus; amor, amor e novamente amor, e nada pode comparar-se a um só ato de amor a Deus.

Deus em sua grande majestade, é adorado pelos espíritos celestiais, de acordo a seus graus de graças e hierarquias em que são divididas, não me causou temor nem susto; minha alma estava cheia de paz e amor; e quanto mais conheço a grandeza de Deus, mais me alegro de que Ele seja O que é.

Me regozijo imensamente em Sua grandeza e me alegro de que sou tão pequena, já que sinto tão pequena, Ele me carrega em Seus braços e me aperta a Seu coração".

Ela não sabia o que Deus estava fazendo por ela, mas sua resposta era firme e invariável: Sim Senhor, fazei em mim tua vontade.

Algo que ela sempre via em tudo isto era que o Senhor queria sua obediência.

Santa Faustina sempre manteve uma forte relação com Deus, sem saber de antemão o caminho que Deus traçava para ela.

A Devoção a Divina Misericórdia segundo as revelações de Jesus a Santa Faustina.

Seus últimos Dias

Nos últimos anos de sua vida aumentaram os sofrimentos interiores, a chamada noite escura do espírito e as dores do corpo: desenvolveu a tuberculose que atacou seus pulmões e sistema digestivo.

Por causa disto duas vezes foi internada no hospital de Pradnik em Cracovia, por vários meses.

Extenuada fisicamente por completo, mas plenamente adulta de espírito e unida misticamente com Deus, faleceu em odor de santidade, no dia 5 de outubro de 1938, aos 33 anos, dos quais 13 foram vividos no convento.

Seu funeral teve lugar dois dias mais tarde, na Festa de Nossa Senhora do Rosário que naquele ano foi primeiro sábado do mês.

Seu corpo foi sepultado no cemitério da Comunidade em Cracovia - Lagievniki, e logo, durante o processo informativo em 1966, foi trasladado a capela.

A Historia Subseqüente

No ano de 1935, Santa Faustina escreveu a seu diretor espiritual: "chegará um momento em que esta obra que Deus tanto recomenda parecerá como [se estivesse] em ruína completa, e então, a ação de Deus seguirá com grande poder, que dará testemunho da verdade.

Ela [a obra] será um novo esplendor para a Igreja, ainda que havia repousado n´Ela desde muito tempo".

De fato, isto aconteceu.

No dia 6 de março de 1959, a Santa Sede, por informação errônea que lhe foi apresentada, proibiu "a divulgação de imagens e escritos que propagam a devoção a misericórdia Divina na maneira proposta por Santa Faustina".

Como resultado, passaram quase vinte anos de silêncio total.

Então, no dia 15 de abril de 1978, a Santa Sede, faz um exame cuidadoso de alguns dos documentos originais previamente indisponíveis, mudou totalmente sua decisão e de novo permitiu a prática da Devoção.

O homem responsável pela revogação desta decisão foi o Cardeal Karol Wojtyla, o Arcebispo de Cracovia, diocese na qual nasceu Santa Faustina.

Este Santo homem foi responsável pela permissão da prática da Divina Misericórdia.

No dia 16 de outubro de 1978, o mesmo Cardeal Wojtyla foi elevado a Sede de São Pedro Sob o titulo de "Papa João Paulo II".

No dia 7 de março de 1992, se declararam heróicas; as virtudes de Sor Faustina; no dia 21 de dezembro de 1992, uma cura por meio de sua intercessão foi declarada "milagrosa"; e no dia 18 de abril de 1993, o Papa João Paulo II teve a honra de declarar a Venerável Serva de Deus, Sor Faustina Kowalska, "Beata".

Em 1997 o Papa João Paulo II fez uma peregrinação a tumba da Beata Faustina na Polônia, lhe chamou "Grande apóstolo da misericórdia em nossos dias".

O Papa disse em sua tumba "A mensagem da Divina Misericórdia sempre tem estado perto de mim como algo muito querido.

Em certo sentido forma uma imagem de meu Pontificado".

No dia 10 de março de 2000, se anunciou a data para a canonização depois de ser aceitado o segundo milagre obtido por sua intercessão.

A secretária da misericórdia de Deus foi elevada aos altares pelo Santo Papa no dia 30 de abril do ano 2000, o Domingo da Divina Misericórdia.

É a primeira santa que foi canonizada no ano jubilar 2000 e no milênio.

A biografia de Santa Faustina nos narra que o Senhor lhe recordava freqüentemente Seu desejo de que se estabelecesse a Festa da Divina Misericórdia.

Ela ofereceu uma novena por esta intenção e no dia 23 de março de 1937, terça-feira da Semana Santa, o sétimo dia da novena de Santa Faustina teve a seguinte visão: "De pronto a presença de Deus me invadiu e imediatamente me vi em Roma, na capela do Santo Papa e ao mesmo tempo estava em nossa capela.

Eu tomei parte na solene celebração, simultaneamente aqui e em Roma.

Vi ao Senhor Jesus em nossa capela, exposto no Sacramento da Eucaristia no altar maior.

A capela estava adornada como para uma festa, e nesse dia todos os que quisessem, podiam entrar.

A multidão era tão grande que a vista não podia alcança-la toda.

Todos estavam participando nas celebrações com grande jubilo, e muitos deles obtiveram o que desejavam.

A mesma celebração teve lugar em Roma, em uma linda Igreja, e o Santo Papa, com todo o clero, estavam celebrando esta Festa, e então subitamente eu vi a São Pedro, que estava de pé entre o altar e o Santo Papa .

Então de repente vi como os dois raios, como estão pintados na imagem, brotaram da hóstia e se estenderam sobre todo o mundo.

Isto durou somente um momento, mas pareceu como se houvesse durado todo o dia, e nossa capela esteve repleta todo o dia, e todo o dia abundou em jubilo.

Logo, vi em nosso altar, ao Senhor Jesus vivo, tal como na imagem.

Logo, em um instante me encontrei de pé perto de Jesus, e parei no altar junto ao Senhor Jesus, e meu espírito esteve cheio de uma felicidade tão grande.

Jesus se inclinou até mim e disse com grande bondade, ' Qual é teu desejo filha minha' e eu respondi, 'Desejo que toda adoração e glória sejam dadas a Tua misericórdia'.

'Eu já estou recebendo adoração e glória pela congregação e a celebração desta Festa: O que mais desejas?' Então eu olhei a imensa multidão que adorava a Divina Misericórdia e disse a Jesus, 'Jesus, abençoai a todos aqueles que estão reunidos para dar-te glória e venerar Tua infinita misericórdia'.

Jesus fez o sinal da cruz com sua mão e esta benção foi refletida nas almas como um raio de luz".

Ao final da Canonização de Santa Maria Faustina o Santo Papa declarou o segundo domingo de Páscoa como o "Domingo da misericórdia Divina", estabelecendo a Festa da Divina Misericórdia que Jesus tanto pedia a Santa Faustina.

O Santo Papa disse: "Em todo o mundo, o segundo domingo de Páscoa receberá o nome de Domingo da Divina Misericórdia.

Um convite perene para o mundo cristão a enfrentar, com confiança na benevolência divina, as dificuldades e as provas que esperam ao gênero humano nos anos vindouros".

No dia 29 de junho de 2002 - O Sumo Pontífice, João Paulo II, estabeleceu que o "Domingo da misericórdia Divina" se enriqueça com a indulgência plenária.